Lúpus: Doença já afeta cerca de 250.000 brasileiros

Sintomas mais comuns são manchas avermelhadas na pele, febre, perda de peso, anemia e alterações de humor. Nefrologista da Fundação Pró-rim alerta para acompanhamento médico e tratamento adequado, pois 35% das pessoas diagnosticadas com lúpus possuem algum comprometimento renal

 

 Segundo dados divulgados pela Sociedade Brasileira de Reumatologia (SBR) estima-se que o lúpus já afeta cerca de 250.000 brasileiros, sendo a maioria mulheres, e é a principal causa de internação hospitalar entre as doenças reumáticas.

Lúpus Erimatoso Sistêmico, como é conhecido entre os profissionais da saúde, ou simplesmente Lúpus, é uma doença inflamatória de origem autoimune que causa variadas manifestações e evolução que pode alterar de um paciente para o outro. Dr. Franco Krüger, nefrologista da Fundação Pró-Rim completa ainda que “o lúpus pode ocorrer em pessoas de qualquer idade, raça, sexo, mas apresenta uma incidência maior nas mulheres, principalmente entre os 20 e 45 anos. Já nos homens, a doença está relacionada diretamente aos rins”.

É uma doença do sistema imunológico, com sintomas diferentes em cada local do corpo. Os mais comuns são: febre, perda de peso, fraqueza, manchas avermelhadas na pele, queda de cabelo, dores nas articulações, alterações pulmonares, convulsões, anemia e até, alterações de humor. Além disso, a doença pode acometer somente a pele, principalmente as regiões que estão mais expostas ao sol, mas também pode atingir um ou mais órgãos internos. É o caso dos rins.

Aproximadamente 35% dos adultos com lúpus possuem algum comprometimento renal no momento do diagnóstico, como nefrite lúpica em 50% dos pacientes nos primeiros 10 anos da doença. Dr. Krüger explica que “o lúpus afeta os rins devido ao desequilíbrio na produção de anticorpos responsáveis pela proteína do próprio organismo e causam a inflamação do tecido renal, levando à fibrose e interrupção de seu funcionamento. As manifestações mais comuns são inchaço nas pernas, urina espumosa, pressão alta e diminuição da quantidade de urina”.

Mas como podemos saber? O nefrologista da Fundação Pró-Rim afirma que o diagnóstico é feito em duas etapas: pela percepção dos sintomas e nas alterações identificadas em exames específicos. “Outros exames, como os anticorpos anti-Sm e anti-DNA são mais específicos, mas detectam a doença em apenas 50% das pessoas”, completa.

Além das medicações, do acompanhamento médico e de todo o tratamento adequado, o médico alerta que, o paciente deve cuidar muito bem de outros fatores, como a alimentação, evitar gorduras, bebida alcoólica e tabagismo, fazer repouso adequado, evitar estresse, praticar exercícios regularmente, além de usar filtro solar e ter atenção rigorosa com medidas especiais de higiene, devido ao risco de infecções.

“Quando o uso de medicamentos é feito corretamente, os exames periódicos e o acompanhamento médico, a doença pode ser controlada, gerando assim uma melhor qualidade de vida aos pacientes com lúpus”, finaliza o nefrologista.

 

Sobre a Fundação Pró-Rim (www.prorim.com.br): A Fundação Pró-Rim é uma entidade sem fins lucrativos com 25 anos de atuação. Realiza tratamento de doenças renais crônicas e possui unidades em Santa Catarina e Tocantins. Está entre as 10 instituições que mais realizam transplantes no país e foi a primeira unidade de hemodiálise de SC a receber o nível máximo de Qualidade da Organização Nacional de Acreditação (ONA). Pelo quarto ano consecutivo foi eleita pela Revista Exame, como uma das 150 melhores empresas para se trabalhar no Brasil.