E agora? Como você estará daqui 10 anos?

Por Maísa Serra

 

Enfim, estamos em 2014. Começo de ano e sempre os mesmos planos: voltar a estudar, ter um filho, comprar um apartamento, guardar dinheiro…

Ok, são ótimos itens, mas sem planejamento não acontecem.

Todos os meses temos contas, compromissos e imprevistos. Se não calcularmos muito bem, não conseguiremos atingir nossas metas.

Então façamos o seguinte exercício: Como você se vê daqui 10 anos? Mentalize! Concentre-se e potencialize este sonho. Isso é o que nos move!

 

Conseguiu se ‘ver’? Ótimo!

Para que isso aconteça você deve se preparar desde já, afinal, 10 anos passam muito rápido (tenho certeza de que você lembra de coisas que fazia quando era criança com a mesma intensidade que se recorda da conversa com seu amigo na noite passada).

Para cada um dos seus objetivos, você deve poupar um determinado valor (e deixar estes valores em ‘locais’ separados para não misturar tudo). Voltar a estudar requer investimento, assim como ter um filho (que é para sempre), comprar um apartamento, ter uma reserva financeira, proteger tudo isso através de um seguro e previdência ou até fazer aquela viagem que você sonha.

Todos nós podemos realizar. É só planejar!

O ideal é que você organize suas contas de forma que poupe ao mês para cada uma de suas metas e vá realizando um passo de cada vez. Pensa que é muito? Certamente se deixar para a última hora o impacto será ainda maior.

Faça a conta através de alguns parâmetros. Comprar um apartamento deve representar em torno de 20% da renda. Um percentual maior pode acabar endividando a família e transformar este sonho em pesadelo.

Reserva financeira: o ideal é poupar em torno de 5% a 10% da renda para emergências, oportunidades, projetos, sonhos etc.

Seguro e previdência: é importante entender que você tem que proteger esta “máquina de fazer dinheiro” que é você. Tem que proteger você mesmo, sua família, seu patrimônio e seu futuro. Para isso, o percentual deve ser de 5% a 15%, dependendo da idade.

Estudo: ter uma reserva para isto, que será formada aos poucos, pode servir para pagar seu curso à vista e, quem sabe, conseguir um desconto.

Já ter filhos os planos podem mudar. O custo não é temporário. Mas os primeiros passos podem ser garantidos. Custas com o parto, decoração, chá de bebê, roupas e alguns acessórios… E, de preferência, que a sua vida financeira já esteja organizada e que seja muito planejado este momento.

Você acha que vai comprometer muito sua renda? Pense então que o brasileiro gasta em média 30% a 40% de seu orçamento para sanar dívidas com cartão de crédito, financiamentos e despesas fixas, transformando sua vida financeira em um caos. Que tal usar parte dos seus rendimentos para melhorar seu futuro?

Enfim, exercite e faça a calculadora trabalhar. O dinheiro precisa agir a seu favor.

Planeje, sonhe e trace metas. Aproveite a energia favorável de início de ano e coloque cada um dos sonhos para acontecer.

Maísa Serra é especialista em previdência privada, com mais de 15 anos de experiência no segmento. Mais informações acesse www.vidalivreseguros.com.br