Cuidado com as dietas da moda

Dieta da proteína, dieta rica em gordura e tantas outras caem cada vez mais no gosto popular com a promessa de redução rápida do peso. Nefrologista alerta que a manutenção do peso estável pressupõe uma ingestão energética equilibrada, principalmente para não sobrecarregar os rins

Hábitos alimentares são formados a partir da experiência familiar e do ambiente social. Na busca do ‘corpo ideal’, muitas vezes são divulgadas dietas impróprias e conceitos inadequados a respeito da saúde do ponto de vista nutricional.

Segundo a nutricionista da Fundação Pró-Rim, Dyane Correa, a grande maioria das dietas da moda levam realmente a uma perda de peso em pouco tempo, porém, assim que são interrompidas provocam aumento considerável, superando muitas vezes o peso anterior e levando ao desestímulo.

“Cada nutriente ingerido desempenha função específica no organismo. Sendo assim, a restrição e ou o excesso desses nutrientes podem trazer consequências sérias para a saúde, inclusive dos rins, no caso das dietas a base de proteínas, por exemplo”, alerta Dyane.

A nutricionista explica que a ingestão de proteínas – nutrientes indispensáveis para a formação e manutenção dos tecidos e para o metabolismo – em excesso, pode causar sobrecarga renal e hepática, com decorrente desidratação, desequilíbrio eletrolítico e perda de tecido magro. Da mesma forma, o uso de suplemento hiperproteico, indicado apenas em situações específicas, só deve ser utilizado com orientação correta.

Já os carboidratos, segundo Dyane, desempenham funções metabólicas importantes e são considerados a fonte primária de energia. Eles fornecem combustível para o cérebro, medula, nervos periféricos e células vermelhas do sangue. Dessa forma, a ingestão alimentar insuficiente traz prejuízos ao sistema nervoso central.

Os lipídios também são responsáveis por desempenhar as funções energéticas estruturais e hormonais no organismo. Porém, as dietas ricas em gordura contribuem para o surgimento da obesidade, diabetes mellitus, colesterol e doenças cardiovasculares que podem levar a insuficiência renal crônica (IRC).

Uma dieta nutricionalmente equilibrada, segundo Dyane, deve seguir redução calórica gradual, sem restrições drásticas, rica em fibras alimentares, adaptadas ao estilo de vida, às intolerâncias e preferências, prescritas individualmente por profissional habilitado, e, aliada sempre à atividade física regular. Este é o caminho correto para mudar o comportamento alimentar, e atingir assim a meta de todos, que é o peso adequado.

“A manutenção do peso pressupõe uma ingestão energética equilibrada com as necessidades do organismo, incluindo o metabolismo basal e as atividades físicas em geral”, enfatiza a nutricionista da Pró-Rim.

Sobre a Fundação Pró-Rim (www.prorim.com.br): A Fundação Pró-Rim é uma entidade sem fins lucrativos com 25 anos de atuação. Realiza tratamento de doenças renais crônicas e possui unidades em Santa Catarina e Tocantins. Está entre as 8 instituições que mais realizam transplantes renais no país e foi a primeira unidade de hemodiálise de SC a receber o nível máximo de Qualidade da Organização Nacional de Acreditação (ONA). Pelo quinto ano consecutivo foi eleita pela Revista Exame, como uma das 150 melhores empresas para se trabalhar no Brasil.