Apenas 1% dos brasileiros vão poupar o 13º

Segundo especialista em seguros, Maísa Serra, o esperado décimo terceiro salário deve ser visto como investimento, um acelerador de recursos, jamais usado para comprometer-se com mais dívidas

Dados da Icatu Seguros revelam que sete a cada 10 brasileiros não costumam poupar. Além disso, 35% da população realiza-se em gastar o dinheiro imediatamente do que poupar e torná-lo uma garantia familiar. “30% das pessoas gastam por impulso. Com a chegada do décimo terceiro é comum que a família vise adquirir novos produtos, bens e até serviços. O que compromete a renda familiar quando o valor deveria ser usado para sanar dívidas ou, de preferência, para investimentos, ou até reserva de previdência”, explica Maísa Serra, executiva da Vida Livre Seguros, especialista em seguros e capitalização há mais de 18 anos.

Maísa revela que essa característica de consumo é cultural. “Não temos o costume de uma educação financeira familiar. Fim de Ano é esperado para comprar aquela TV nova, celular ou vários outros itens que nos bombardeiam pelos meios de comunicação”.

A especialista deixa quatro valiosas dicas ao brasileiro para que reveja seus planos e use – pelo menos – parte do dinheiro como poupança.

  1. Não só o 13º salário, mas toda a renda recebida deve ter seu consumo planejado;
  2. Um percentual da renda (que varia de acordo com a idade) deve ser separado para poupança (para projetos, emergências e oportunidade). Isto dá autonomia e liberdade para cada um. Devemos poupar este percentual até que tenha uma reserva de, pelo menos, 25 vezes a renda mensal;
  3. Outro percentual da renda deve ser utilizado para proteger a si próprio, sua família, seu patrimônio e seu futuro, ou seja, imprevistos. Isto deve ser feito através de um seguro e previdência privada. O que dará autonomia, liberdade e dignidade para si e sua família;
  4. E, por último, o 13º salário é uma excelente ferramenta para diminuir o Imposto de Renda, pois poderá complementar os 12% que a lei permite para a dedução do imposto de renda em aportes de previdência privada.

Dica: para começar esta disciplina, uma ideia é dividir o 13º salário em quatro partes:

  • Para pagar alguma dívida;
  • Fazer um aporte em previdência privada (para ter maior renda de aposentadoria e/ou para diminuir o imposto de renda);
  • Fazer um aporte em poupança (para ter uma reserva financeira);
  • Comprar um bem, serviço ou para férias.